Notícias

Cortadoria Nacional do Pêlo aposta nos curtumes

Wednesday, December 2, 2020
Cortadoria Nacional do Pêlo aposta nos curtumes

Com princípios assentes na sustentabilidade e economia circular, a Cortadoria Nacional do Pêlo dedica-se à transformação de pêlo em feltro de chapelaria de alta qualidade. Como resultado do uso eficiente e cuidado desta matéria prima, a empresa desenvolveu uma estratégia de aproveitamento da pele de coelho para comercialização, de modo a dar continuidade aos seus princípios de economia circular.
 
Esta aposta da Cortadoria dá origem à Cortadoria Leather, uma unidade de produção que utiliza um processo inovador quer pelo produto em si, mas também pelas preocupações ambientais que estão subjacentes a este projeto.
Em comunicado a empresa diz tratar-se de “um produto produzido com métodos inovadores que dispensam materiais como sulfuretos, biocidas, crómio, formaldeído livre, além da utilização de um nível drasticamente reduzido de metais pesados. A tudo isto junta-se o uso responsável de água e energia, e a virtude da biodegradabilidade do produto no final do seu ciclo de vida”.
 
A estratégia da empresa é definida de acordo com os princípios de economia circular. Segundo o mesmo comunicado a “cortadoria criou um processo de fabrico inovador capaz de transformar um subproduto da alimentação humana, como a pele de coelho, num couro diferenciado. Com início em 2011, esta técnica pioneira remove o pelo sem qualquer dano, acrescentando-lhe ainda mais qualidade. Obtém-se ainda uma pele que, de um estado bruto, poderá ser transformada em couro”.

O resultado deste trabalho são 4 produtos distintos que a empresa apresenta ao mercado: Soft, Glossy, Suavia e Leaved, que podem ser utilizados em pequena marroquinaria, calçado, vestuário ou acessórios. Destaque ainda para o mais recente desenvolvimento, uma vez mais aliado à economia circular, a cauda de Castor, que se “caracteriza pela sua textura natural e pela resistência, sendo a utilização indicada para correias de relógio, pequenos artigos de couro e sapatos”.

371

Voltar